terça-feira, 16 de agosto de 2016

FRATERNIDADE ESPÍRITA DE CAMPANHA DO QUILO-PE.

A Diretoria da Fraternidade continua disponibilizando o livro "O Bom Combate" para todos interessados em Campanha do Quilo, assim como o livro "Uma Prece em Movimento", onde se encontra os relatos dos legionários durante o exercício do trabalho.

Qualquer informação ligar para:

Célio Cavalcante: 99892-4575/ 99498-1401.
Luzinete Oliveira: 99699-7964.
Ana Patrícia: 98821-8784/99979-7148.

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

A Campanha do Quilo como a vemos

Encontra-se disponível "A Campanha do Quilo como a vemos". Trata-se de um livro pode ser adquirido ao preço de um dólar dos Estados Unidos no web site da Amazon.com.

O trabalho ora disponibilizado ao público tem o caráter de orientação e pretende ser uma fonte de resolução de dúvidas.

Agradecemos a quem instalar o trabalho em dispositivos para leitura e com mais empenho ainda, agradecemos às pessoas que apresentarem sugestões de melhoria e críticas. Este trabalho, as sugestões e críticas serão enviados ao Conselho Deliberativo da Fraternidade, que deverá pronunciar-se; o posicionamento do Conselho deverá ser incorporado ao livro. Desta forma, teremos uma nova edição revisada, ampliada e corrigida, que refletirá com maior precisão o pensamento institucional.

Para ler o livro é necessário possuir um dispositivo Kindle ou instalar o aplicativo Kindle em celulares ou tablets e abrir uma conta (sem custos) na Amazon.

domingo, 31 de julho de 2016

Lições silenciosas da Campanha do Quilo



Hoje fizemos campanha do quilo em favor da creche do Núcleo Espírita Missionários da Luz. A instituição necessita de recursos para reparar os danos causados por um assalto que aconteceu há alguns meses.

Essa campanha foi no sinal de trânsito nas proximidades do supermercado Carrefour do bairro da Torre. Abordamos os automóveis e transeuntes solicitando colaborações e distribuindo mensagens psicografadas com teor moral e consolador.

Logo ao iniciar os pedidos, observei que do lado oposto da autovia um cidadão que dirigia um Honda Civic estacionou o automóvel à margem da rua. O sinal abriu, os demais automóveis partiram, mas o Civic permaneceu parado com o motorista olhando na minha direção e com janela aberta. Chamou-me e colaborou com algum recurso para a campanha.

Pensei: há vários tipos de relacionamento das pessoas com a campanha do quilo. Uns doam quase sem que haja necessidade de lançarmos o apelo para contribuição. Outros doam apenas quando são instados a fazê-lo, alguns vacilam, duvidosos se devem ou podem doar, outros negam com decisão; convictos.

Muitas vezes a maior parte da comunicação acontece de forma não verbal. Expressões de aprovação, de desculpas, de rejeição…... Antes de doarem, alguns apresentam expressões de simpatia, doam ou se desculpam por não haver naquele momento recursos para colaborarem e aceitam a mensagem. Outros permanecem impassíveis, não sabemos se nos ouvem e desta forma estão expressando que não concordam com a atividade que estamos realizando, se estão distraídos ou se trazem algum problema que dificulta nossa interação com eles.

Em cada atitude em cada reação ou falta de reação aos apelos que dirigimos, (e diga-se que acontecem em poucos segundos), nossos sentimentos também variam com a reação, mas, quando estamos vinculados pelo pensamento ao Mestre Jesus, esses sentimentos embora oscilem são sempre de equilíbrio e de paz.

Durante os trabalhos de hoje, parece que os amigos da espiritualidade ministravam aulas de evangelização para mim que sou um necessitado de lições de moral cristã. Inspiravam-me:

“É necessário, levar esse estado de espírito de paz ao cotidiano; prestar a atenção continuamente aos próprios pensamentos, gestos, atitudes, palavras e ações. Precisamos estudar os princípios da moral de Jesus: Amai o próximo com a si mesmo, fazei ao próximo tudo quanto desejas que se te faça. Não façais ao próximo nada que não gostaríeis que o próximo te fizesse.

Formulemos propósitos superiores, façamos preces pedindo a Deus que nos fortaleça nesses propósitos e intenções. Cultivemos a gentileza, o carinho fraternal para com todos sem distinção – homens, mulheres, crianças, jovens, velhos, pobres, ricos, brasileiros, estrangeiros, sem esquecer da necessária vigilância.

Comprometamo-nos com a benevolência, com a indulgência. Ao olharmos para as pessoas, lembremo-nos que todos são nossos irmãos e que em muitas situações as pessoas nos abordam repentinamente ou sutilmente enviadas por Jesus. Algumas vezes desejam apenas nossa atenção carinhosa ou instruções superiores no campo do Bem, outras precisam de palavras de encorajamento para prosseguirem com fé nas estradas da vida e outras estão inconscientemente buscando-nos como veículos da oportunidade de se tornarem servidores do bem comum, dos serviços de Jesus.

Ao final do dia quando o sol se esconde no horizonte e o céu se cobre de estrelas, elevemos novamente o pensamento ao Criador incriado, Eterno, amoroso pai de todas as criaturas; Pai de todos os seres, da ínfima bactéria ao arcanjo governador de mundos. Recaptulemos o conteúdo dos nossos propósitos, benevolência, indulgência, amor ao próximo. Indaguemos de nossa consciência se teríamos faltado ao dever de fraternidade, mas da fraternidade que brota do coração. Identifiquemos eventuais falhas, examinemos em nós as causas dessas falhas; disponhamo-nos a repará-las e a assumir melhores atitudes perante a vida e o semelhante. Repitamos constantemente o ciclo: estudar a moral de Jesus, formular propósitos cristãos, manter o pensamento e o próprio espírito vibrando no diapasão da fraternidade, do amor carinhoso ao próximo, vigiemos, examinemos nosso eu (ações, pensamentos, atitudes, gestos, palavras), retifiquemos, melhoremos nossas atitudes, repitamos o ciclo de melhoria espiritual.

Oremos, elevemos a toda hora o nosso padrão vibratório mental, mantenhamos a paz interior, enviemos pensamentos de carinho fraterno para todos.”

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Tolerância

Se olharmos para a própria situação espiritual, vamos constatar que temos muitos defeitos, que precisamos da paciência e tolerância dos outros; que precisamos de entendimento, carinho e tempo, para nos corrigir

Nada mais justo que, se precisamos de tolerância, tolerarmos as falhas alheias com carinho e toda a boa vontade de que formos capazes.

Agora pensemos em Jesus: ele não precisa da tolerância de ninguém, mas nos tolera com amor há muitos séculos!

domingo, 5 de junho de 2016

Eleições

Em 29 de maio foram realizadas, conforme disposições estatutárias, as eleições da Fraternidade da Campanha do Quilo.

Para o Conselho Deliberativo foram eleitos:

Titulares:
Ana Izabel Bezerra de Melo (Fraternidade de Campanha do Quilo)
Antonio Alves de Sá Sobrinho (Comissão Estadual de Espiritismo)
Andreilson José dos Santos (Lar de Maria)
Lusinete Lopes ((Fraternidade de Campanha do Quilo)
Joana Darque (CE Pedro Carneiro)
Reinaldo Fernandes ( IE Semeadores da Fé)
Alcidenberg (CE Francsco de Assis)
Valdemir Alexandre (Lar de Jesus)
Ailton Gomes da Rocha (FE Francisco de Assis)
Getúlio Coutinho (CE André Luiz)
Fabiano (CE Regeneração)
Jaime Teixeira ( CE Irmão Clara)
Luiz Honorato de Morais (Cruzada Espirita Pernambucana)
Luizandes Barreto (Comunidade Espírita Elias Sobreira)

Suplentes:

Diogo Veloso ( CE Caminhando para Jesus)
Isoláquio Mustafa (CE Amor e Caridade)

Em seguida foi eleito para presidente do Conselho, Valdemir Alexandre.

Na sequencia, o conselho deliberativo aprovou a apresentação da única chapa apresentada para concorrer à diretoria executiva:

- Presidente: Célio Cavalcanti
- Vice presidente: Luzinete Oliveira
- Segundo vice presidente: Ana Izabel Bezerra de Melo.

A todos os eleitos formulamos votos de uma gestão produtiva na orientação e divulgação dos trabalhos cristãos, com especialidade da campanha do quilo. Que estejamos receptivos às orientações dos emissários do Mestre Jesus.

sábado, 4 de junho de 2016

UM AMOR QUE SE VAI É COMO UM SOL QUE SE PÕE


Isoláquio


Vejo um lugar longínquo, sem arranha-céus, sem asfalto. A noite, sem luzes artificiais. Tem muitas plantas….. às vezes flores….às vezes espinhos. São poucas as pessoas; vivem da terra, cultivam, cansam, descansam, colhem frutos, vivem fraternalmente, são muito felizes e inocentes.

Nunca sonharam com outro estilo de vida. O sonho para eles está sempre presente. Esse sonho, não é como o nosso, não está distante deles, está com eles: é a terra que pisam, as cores que enxergam, o aroma que respiram, o trinar dos passarinhos, o diálogo uns com os outros….. a solidariedade.

O amor não tem fim… não morre…. Apenas dá lugar a outros amores; esconde-se um pouquinho, como o Sol se põe, para voltar logo mais…. Para deixar enxergar outros amores, outras estrelas.

É como um fim de tarde nebuloso, mas que deixa transparecer a beleza das cores do poente…..sempre que um amor se vai o céu fica mais lindo, cada amor que se vai a beleza do céu é diferente….

Mas quando o sol parece se apagar, quando o amor parece não mais existir e o vazio do coração se torna mais profundo é como uma sombra que se estende sobre o céu, uma torrente de chuva, como a torrente das nossas lágrimas, se derrama sobre a terra…. fecundando-a.

Quando as lágrias se esgotam as formas parecem nos fugir, a tristeza e a decepção tentam dominar o coração, as trevas se tornam sem nome…...enxergamos o que nos estava oculto… o céu escuro estrelado, belo….. Quanto mais escuro, mais belo. Uma multidão de pequenas luzes nos acenam… os planetas com seus brilhos firmes, as estrelas com suas emissões tremeluzentes….

Cobrindo todo o céu está a Via Láctea que só se revela para os que não têm mais luzes neste mundo para os que se decepcionaram totalmente com as ilusões da Terra.

Um mundo infinito se nos revela, o sol ardente daquele lugar, cede para uma briza suave, reconfortante, cariciosa. Novos sonhos despertam outra vontade de viver. Mas o corpo cansado entrega-se a um leito humilde, desprezado…. pobre.

O espírito deixa temporariamente a forma física para lançar-se no espaço, leve, ágil, capaz de flutuar e viajar…...até às estrelas, seus novos amores. Irmãos, pais, filhos, netos..Tantos amores que estavam ofuscados voltam a brilhar. As pessoas também são dignas de amor, os sofredores, os que perderam tudo, mas que tem o coração em processo de purificação. São os mesmos que Jesus trazia junto de si.

Ao aproximar-se, aqueles pontos de luz, aquelas estrelas pequeninas agigantam-se. Aquela alma encanta-se com o tamanho, com as cores com a energia colossal das suas ondas eletromagnéticas, com as famílias planetárias que as cercam, com tantas humanidades que começam embrutecidas, mas gradualmente percorrem o penoso e belo caminho das ascensão, da iluminação….

Aquela alma que estava há pouco decepcionada volta deslumbrada para a sua abençoada e pequena habitação. Ao retornar, contempla o seu planeta à distância, divisa novamente o Sol. Ali, longe da Terra não há mais apagar das luzes.

Aprendeu que, na Terra o amor brilha e fenece para brilhar de novo no alvorecer, acima das folhas e flores orvalhadas. Mas ao deixar a Terra poderá olhar seu amor numa luz perene, para sempre, num contexto de infinito.


sexta-feira, 27 de maio de 2016

Lar Paulo de Tarso

Gezler, conhecido pelos espíritas como Geo, é um espírita dedicado e respeitado pelo seu trabalho, por sua cultura e moral. Engenheiro, pós graduado em gestão de Marketing, trabalhou na Mansão do Caminho em Salvador, foi presidente da Comissão Estadual de Espiritismo em Pernambuco, inspirou e trabalhou pela implantação e desenvolvimento de eventos espíritas de grande porte em Recife.

Estive em sua residência em Salvador por volta de 1987, quando ele nos falou sobre eventos espíritas de grande porte e abertos ao público. E foi sob a influência dessa visita que demos apoio à implantação do Forespe. Já o conhecia e o tenho por amigo desde a juventude. Atualmente Geo é presidente do Lar Paulo de Tarso, que aniversaria hoje.

Eis a mensagem do Geo:

"Hoje (27-05-2016) o Lar Paulo de Tarso completou 25 (vinte e cinco) anos de existência. É um quarto de século dedicado a acolher crianças em situação de risco social de alta complexidade.
O nosso lema é "Reconstruindo Vidas com Amor" e somamos com todos os que trabalham por uma sociedade fraterna, sem discriminações, espiritualizada e tendo o BEM como eixo de agregação.
Durante este período centenas de crianças já viveram conosco. Umas moraram meses, outras anos, mas todas recebendo o cuidado e o carinho que sempre mereceram.
São os nossos filhos e filhas do coração, simplesmente crianças, que serão sempre amadas.
Agradecemos a Deus, a todos os trabalhadores, colaboradores e parceiros que tornaram e tornam possível a construção desta estrada. Muito obrigado a todos vocês.

Gezler Carlos West

Isoláquio Mustafa

domingo, 15 de maio de 2016

EXAMINEMOS A NÓS MESMOS

O dever do espírita cristão é tornar-se progressivamente melhor.
Útil, assim, verificar, de quando em quando, com rigoroso exame pessoal, a nossa verdadeira situação íntima.
Espírita Cristão que não progride durante três anos sucessivos permanece estacionário.
Testa a paciência própria: - Estás mais calmo, afável e compreensivo?
Inquire as tuas relações na experiência doméstica: - Conquistaste mais alto clima de paz dentro de casa?
Investiga as atividades que te competem no templo doutrinário: - Colaboras com mais euforia na seara do Senhor?
Observa-te nas manifestações perante os amigos: - Trazes o Evangelho mais vivo nas atitudes?
Reflete em tua capacidade de sacrifício: - Notas em ti mesmo mais ampla disposição de servir voluntariamente?
Pesquisa o próprio desapego: - Andas um pouco mais livre do anseio de influência e de posses terrestres?
Usas mais intensamente os pronomes "nós", "nosso" e "nossa" e menos os determinativos "eu", "meu" e "minha"?
Teus instantes de tristeza ou de cólera surda, às vezes tão conhecidos somente por ti, estão presentemente mais raros?
Diminuíram-te os pequenos remorsos ocultos no recesso da alma?
Dissipaste antigos desafetos e aversões?
Superaste os lapsos crônicos de desatenção e negligência?
Estudas mais profundamente a Doutrina que professas?
Entendes melhor a função da dor?
Ainda cultivas alguma discreta desavença?
Auxilias aos necessitados com mais abnegação?
Tens orado realmente?
Teus ideais evoluíram?
Tua fé raciocinada consolidou-se com mais segurança?
Tens o verbo mais indulgente, os braços mais ativos e as mãos mais abençoadoras?
Evangelho é alegria no coração: - Estás, de fato, mais alegre e feliz intimamente, nestes três últimos anos?
Tudo caminha! Tudo evolui! Confiramos o nosso rendimento individual com o Cristo!
Sopesa a existência hoje, espontaneamente, em regime de paz, para que te não vejas na obrigação de sopesá-la amanhã sob o impacto da dor.
Não te iludas! Um dia que se foi é mais uma cota de responsabilidade, mais um passo rumo à Vida Espiritual, mais uma oportunidade valorizada ou perdida.
Interroga a consciência quanto à utilidade que vens dando ao tempo, à saúde e aos ensejos de fazer o bem que desfrutas na vida diária.
Faze isso agora, enquanto te vales do corpo humano, com a possibilidade de reconsiderar diretrizes e desfazer enganos facilmente, pois, quando passares para o lado de cá, muita vez, já será mais difícil...

(Opinião Espírita - André Luiz/Emmanuel - lição nr 01)

terça-feira, 19 de abril de 2016

ELIAS SOBREIRA


Por Ricardo Wagner Mascarenhas

De Salvador BA

No dia dezoito de abril de mil novecentos e cinquenta e sete, vi o irmão Elias Sobreira pela primeira vez. Era a comemoração do centenário de “O Livro dos Espíritos”, num evento memorável no Parque Treze de Maio, Recife-PE. Ele falou no momento final, após os discursos de Batista Campos, Adauto Pontes, Helena Moura e Blandina Flilipini. Sua linda palavra, calorosa de amor, foi uma fragrância de bênçãos!

Em plena juventude dos meus vinte e dois anos de idade, vivendo os primeiros dias de Doutrina Espírita, decidi seguir aquele homem nas tarefas da Campanha do Quilo. Participei com ele de muitas reuniões e tive a honra de recebê-lo em minha casa, em nossa reunião de Evangelho no Lar, durante uma década. Foram dias de muita bênção e paz.

Recordo-me da Escola Central da Campanha do Quilo, que funcionava no Núcleo Espírita Centelha de Jesus, num velho sobrado na rua do Aragão e posteriormente, no novo prédio no bairro dos Coelhos. Sobreira dirigia a reunião da Escola Central do Quilo (atual Fraternidade de Campanha do Quilo) todos os domingos às 17:00 h. Era o momento da programação das tarefas. Visitas aos hospitais, leprosários, penitenciárias, abrigos, orfanatos, aos enfermos e aos centros espíritas como incentivos às Campanhas do Quilo a serem realizadas.

Lembro-me bem de sua postura calma, sua face cheia de sabedoria e sutileza, convidando os companheiros para formarem comissões. Havia uma preferência para acompanhá-lo nas divisões em grupos. Revejo ao seu lado saudosos companheiros, cujos nomes seriam difíceis de lembrar…..


(“Campanha do Quilo – uma prece em movimento” – Edição 2016 – FECQPE)

terça-feira, 12 de abril de 2016

Dezoito de Abril

Estes dias nos lembram Allan Kardec e sua obra.

31 de março – rememoramos a desencarnação do codificador.

01 de abril – homenageamos a fundação da Sociedade de Estudos Espíritas de Paris.

18 de abril – prestamos honras ao lançamento de O Livro dos Espíritos.

Conhecemos o Evangelho do Mestre Jesus, os quatro evangelhos apresentados por Matheus, Marcos, Lucas e João; os relatos da vida do Redentor, seus ensinos, seus exemplos.

O tempo tratou de promover o progresso das ciências, das ideias. Assistimos ao progresso em todos os setores. A Humanidade não é mais a mesma que há 2.000 anos.

Tudo evoluiu. Nossa compreensão do Cristo, de sua vida, de suas palavras, porém eram vagas, contraditórias. Intuíamos a grandeza de suas palavras e dos seus atos. Mas quase tudo era incerto, incompreensível.

Muitos tentaram desvendar o sentido dos Evangelhos, mas ninguém cumpriu essa tarefa a contento. Tanto isto é verdade que apesar da majestade do Senhor Jesus, descrita no Novo Testamento, o crescimento da incredulidade era incontrolável.

A Ciência contrariava a Fé e o espírito humano aturdido não sabia de onde veio, para onde irá o que está fazendo nesta vida e porque sofre.

Tudo crescia se engrandecia, tecnologia, arte, legislação, ciência, filosofia. Só a Religião permanecia estagnada. O homem moderno só tinha à sua disposição uma concepção medieval de Deus, da alma e do destino.

Foi preciso a intervenção de forças sobre-humanas. Para preencher esse vazio a misericórdia divina nos surpreendeu enviando-nos a coletividade das maiores e mais importantes inteligências que viveram neste mundo. Filósofos, cientistas, homens de virtude.

O além se abriu. As comunicações mediúnicas nos revelaram a ciência do espírito, engrandecida, lógica, em harmonia com os progressos de todos os demais setores da inteligência.

Havia necessidade porém de um coordenador vivo, competente com amplos, abrangentes e profundos conhecimentos das ciências e das letras.

Foi assim que aquele que detém as rédeas do progresso terreste, enviou Allan Kardec para desempenho essa imponente tarefa.

Nada mais justo do que recordar sua via, sua missão, seus exemplos sua enorme virtude. Para isto, disponibilizamos um trabalho com resumo dessa importante temática.

E nada mais oportuno do que recordar, divulgar, comentar  O Livro dos Espíritos que disponibilizamos também em forma de slide, e homenageamos na data de hoje.

Saudemos Kardec, sua obra, sua via e especialmente O Livro dos Espíritos. Que nos trazem o Cristo de volta. Como o mestre mesmo havia prometido.


Boas comemorações a todos.

domingo, 3 de abril de 2016

Fernandinho

Adriana Franklin: Amigos  da CQ
Esta noite sonhei com um legionário idoso,  de simplicidade e humildade incontestáveis. No entanto, estar em sua presença me impressionou por demais, tamanha a sua força espiritual.
Chamava-se Sr. FERNANDINHO. 
Chamou-me ao trabalho....
Um amigo de nosso grupo, Ferreira, me chamou no privado dizendo ter conhecido nosso irmão que desencarnou por volta dos 90 anos.
Não sei se é  a mesma 
pessoa de quem falou nossa irmã Marcia Aurea.
Eis a mensagem  que recebi:
"Irmã Adriana, conheci o legionário FERNANDINHO, do  Cenáculo Espírita de Campo Grande, foi um grande legionário , de pouca formação acadêmica mas na tribuna impressionava pela oratória e conhecimento da Doutrina Espírita, desencarnado há 3 ou 4 anos, acho que foi fundador do Cenáculo. Fale com Paulo presidente do Cenáculo."
Como disse Ferreira, o chamado com certeza não é só   para mim, mas para todos nós, legionários do Quilo,  combatentes do BEM.
Isolaquio Mustafa: Conheci Sr Fernandinho. Foi ele quem construiu e fundou a creche do CECAM. Foi ele quem me convidou para fazer campanha com Sr Sobreira. As primeiras reuniões de desenvolvimento de mediunidade eu assisti sob a direção dele.
Isolaquio Mustafa: Fui ao sepultamento do corpo dele. Senti Elias Sobreira recebendo-o de volta. Ao mundo espiritual.
Isolaquio Mustafa: Os médiuns confirmaram.
Adriana Franklin: Que emoção, Isolaquio! 
Não tenho o merecimento  de ter contato com espírito tão nobre e evoluído,  mas sim,  necessidade.
No sonho, sua fisionomia me transmitia alegria, serenidade e firmeza.
Tinha um pouco de dificuldade para andar, creio que pela idade avançada. 
Como somos bem assistidos pela espiritualidade! !!!!
Como foram felizes os que puderam conhecer em vida, estes bons legionários! !!!
Como somos felizes ao sermos chamados ao trabalho!!!!!
trabalho
Isolaquio: Em uma reunião de desobsessao, vi vários companheiros desencarnados que trabalharam comigo e com Sr Fernandinho. Ele não estava; me perguntei: onde está Sr Fernandinho? Uma intuição: está em plano superior. Por que? Indaguei. A resposta: porque ele amou mais.
Adriana Franklin: Ainda mais emocionada! Grata por este momento vivido em desdobramento!
Um puxão de orelha amoroso, me lembrando a responsabilidade  para com o trabalho....

terça-feira, 1 de março de 2016

Aniversário da Fraternidade Espírita de Campanha do Quilo de Pernambuco

Na passagem do septuagésimo aniversário da nossa instituição, no dia 02 de março, recebemos várias manifestações de amizade sincera e cristã, que nos comovem. Agradecemos a todos as palavras de incentivo e amor cristão.

Ernane Costa (Federação Espírita Pernambucana):



"Parabéns á todos deste incansável trabalho que há sete décadas e sob inspiração Divina, a semente plantada por Elias Sobreira, adubada pelos bons espíritos, regada sob as preces e mantida pela caridade de muitos, vem gerando frutos de alento e ajuda a tantos necessitados"


Ericka Marta (Centro Espírita Deus, Cristo e Caridade Petrolina-PE):




Agradeço gentilmente a fraternidade seus membros que se dedicaram a levar as diretrizes de campanha do quilo para a cidade de Petrolina o que resultou num belíssimo trabalho que ainda hoje permanece forte em nossa instituição.
Peço a Deus e aos bons Espíritos que continuem fortalecendo seus membros e diretores a continuarem esse grandiosa missão que é levar a campanha do quilo aos quatro cantos do nosso querido país e ir além de nossas fronteiras angariando cada vez mais legionários que trabalham com o Cristo e pelo Cristo.


Jussara Korngold (Federação Espírita dos Estados Unidos);




Queridos irmãos da Fraternidade da Campanha do Quilo 
Que a compaixão e dedicação que exalam dos corações bondosos de seus fundadores e voluntários continuem a espargir a chama da caridade e amor ao próximo apregoados por nosso Mestre Nazareno. 
Que os anos de serviço se transformem em décadas e séculos. 

Abraços Fraternais 

Jussara Korngold

Presidente da Federação Espírita dos Estados Unidos

Carmélia Pedroza (Fraternidade Espírita de Timbaúba):









Nós da FET também conhecida como uma das Taperinhas de Jesus, gostaríamos de parabenizar a Fraternidade da Campanha do Quilo pelos seus 70 anos levando e exemplificando a mensagem do Mestre Jesus.
Obrigada por nos incentivar a continuarmos com esse lindo e sublime trabalho!

Giovani Cavalcanti (Cenáculo Espírita Casa de Maria - Recife - mantém uma creche com 54 crianças)



Parabéns e agradecimentos a todos os que fazem ou fizeram parte dessa instituição, direta ou indiretamente!
Agradecimentos especiais ao nosso querido irmão Elias Alverne Sobreira.
Peço a Deus, nosso Pai e ao nosso Irmão e Mestre Jesus que continuem junto com a Espiritualidade Superior, abençoando essa Fraternidade e todos os seus trabalhadores, para que possam dar continuidade na organização, divulgação e incentivo da nossa querida Campanha do Quilo.
Se, em 70 anos de semeadura, a colheita já foi e é tão bem aproveitada para amenizar as necessidades dos nossos irmãos mais carentes, só me resta rogar ao Alto que permita que a Fraternidade possa continuar o seu trabalho com muita Paz e Harmonia, por tantos anos quantos ainda sejam necessários até que toda a humanidade finalmente entenda e pratique o ensinamento de Jesus:
AMAI AO TEU PRÓXIMO COMO A TI MESMO.
Um fraternal abraço a todos!
Giovanni F. Cavalcanti (CECAM-Recife)

Diogo Veloso (Centro Espírita Caminhando Para Jesus - Recife PE)


Há 70 anos iluminadas vibrações comemoravam a fundação da tão querida Escola do Quilo! Nascedouro de uma legião de infantes do bem que fica maior a cada novo dia! Sou feliz e me sinto responsabilizado por ser legionário da campanha do quilo desde muito jovem, serei eternamente agradecido por fazer parte dessa linda corrente do bem que nos permite a prática integrada da caridade espiritual e material.Continuemos juntos, na bonita luta pelo bom combate, enlaçados pelo amor ao próximo, divulgando o evangelho e a moral do Cristo e encantando a todos com nossa alegria em fazer parte disso tudo! Parabéns a FECQ, que sejamos maiores e melhores a cada novo dia!" Diogo Veloso - legionário do quilo.



Márcio Câmara (Coordenador do grupo INFIL - Instituto Fraterno Irmãos da Luz)




Quero abraçar a todos da fraternidade com todo carinho e respeito. Peço ao Amigo Jesus que dê força e ânimo para que os amigos continuem firmes no trabalho silencioso e admirável da Campanha do Quilo. Que venham mais 70 anos....parabéns amigos!!! o trabalho de vocês é lindo!!! Com toda admiração. Marcio Camara. (trabalhador do Centro Espírita Manoel Quintão em Olinda e Coordenador geral do grupo INFIL - Instituto Fraterno Irmãos da Luz).

Waldenya Maia (Fraternidade Espirita Bittencourt Sampaio - Minas Gerais)

Pensei em falar várias palavras bonitas e rebuscadas para este dia de aniversário da Fraternidade da Campanha do Quilo, mas não as encontrei. Por isto resolvi dizer um simples mas sincero, Muito Obrigada Meu Deus por conhecer este grupo. Dê a todos nós, Senhor, sabedoria, fé e caridade em todos os momentos de nossas vidas.
Forte abraço a todos. Waldenya - MG.



Iraponan Chaves de Arruda (Instituto Espírita Vida)
(Legionário do Quilo)



Quanta honra escrever aqui! Há quase 30 anos conheci a Escola Central do Quilo, e ainda tive o privilégio de desfrutar da companhia dos queridos Elias, Galdino e Eloi (este último, ainda me alegro em sua presença no Batista de Carvalho). São 70 anos desde a primeira campanha do quilo realizada em 03 de março de 1946 na Escola Espírita Maria de Nazaré e 70 anos de fundação da Escola Central do Quilo, hoje denominada Fraternidade do Quilo. Quanta luz! Que bom poder fazer parte dessa corrente de amor e luz. Parabéns aos queridos irmãos, todos nós, que fazemos este movimento representado pela Fraternidade do Quilo. Sigamos em nossa oração dominical, com a prece em movimento!

Paz e Vida!

Allan Albuquerque (Tabernáculo Espírita Apóstolos de Cristo)

Com muito prazer venho parabenizar a Fraternidade Espírita da CQ por todos esses 70 anos de trabalho de muito amor e dedicação. Agradeço a todos dessa gloriosa instituição pela oportunidade de trazer a CQ a Pernambuco. O trabalho realizado até hoje foi de grande sucesso e desejo a todos que movem essa instituição que continuem trabalhando em busca de combatermos as nossas imperfeições. Que o nosso amado mestre Jesus nos acolha e que possamos ajudar a Fraternidade a melhorar cada vez mais a sua atuação no direcionamento das CQs do nosso estado. Obrigado por tudo meus irmãos da Fraternidade Espírita da CQ.

Allan de Almeida Albuquerque
(Coordenador de Campanha do Quilo)
(Doutorando em Engelharia Química - UFPE).


Resumo de Livros Espíritas em um slide


Prezados companheiros e prezadas companheiras, oferecemos resumo de 
O Livro dos Espíritos, O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Céu e o Inferno em PDF. Oferecemos também um slide descritivo da coleção André Luiz, também conhecida como A Vida no Mundo Espiritual.
Os arquivos podem ser baixados em seu computador, para servir de apoio a palestras ou impressos e colocados em um quadro de avisos para divulgação dessas importantes obras da codificação e de reuniões de estudos realizas em sua instituição.
Para baixar o Evangelho, click em "Slides" (logo abaixo do título desse Blog), click na seta para baixo no topo da página.
Se decidir imprimir, recomenda-se resolução 30 x 40 inches.
Esses trabalhos nos foram gentilmente cedidos por Jussara Korngold, atual presidente do Conselho Espírita dos Estados Unidos, espírita atuante na divulgação da Doutrina por meio de palestras, seminários e produção de livros. Destaque-se que os companheiros espíritas dos Estados Unidos sob a coordenação de Jussara têm vertido para a língua inglesa e publicado as obras de Allan Kardec, diversos livros psicografados por Divaldo Pereira Franco, Francisco Cândido Xavier, dentre outros.
Agradecemos a Jussara e enviamos a ela e aos demais companheiros espíritas dos Estados Unidos, votos de Paz, Progresso, Saúde e que Deus ajude a todos nesse nobre trabalho.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

TRANSFORMAÇÃO MORAL




"Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas más inclinações"

O Evangelho Segundo o Espiritismo - Cap. XVII - item 4.

Abaixo publicamos uma série de cinco artigos sobre Transformação Moral. Cada um dos artigos desenvolve um dos blocos de temas abaixo.

Definição
Padrões morais a serem adotados.
Base conceitual

Base conceitual – prática
Vantagens

Autoconhecimento
Melhores processos

Beneficência

Resultados esperados
Apêndice

Em Espiritismo referem-se normalmente à reforma íntima como ação essencial, como principal produto dos ensinos espíritas. Preferimos a expressão transformação moral por entender que essa é mais precisa, mais direta.

Que definição podemos dar de Transformação Moral?

Transformação é a ação de modificar de modo significativo. O termo Moral diz respeito ao modo de ser. Portanto Transformação Moral significa emendar-se, corrigir-se, reestruturar comportamentos, condicionamentos psicológicos, elevar os sentimentos, abandonar os maus hábitos e os vícios. Enfim tornar-se um ser melhor do que era.

Quais os padrões morais a serem adotados como meta?

A Transformação Moral requer um modelo a ser atingido. Um ser ideal, perfeito que nos seja apresentado como padrão. Por ser este texto dirigido a pessoas que presumivelmente possuem conhecimentos da Doutrina Espírita, indicamos Jesus como o modelo e guia da transformação e evolução moral.

Obviamente não seria razoável pretendemos atingir de uma só vez e em apenas uma encarnação a perfeição do Mestre. Mas podemos e devemos seguir o caminho que conduz àquele modelo divino. Providência que ajuda a nos aproximar do padrão, é adotar mentores intermediários. Podemos citar como exemplos: Francisco de Assis, Paulo de Tarso, Santo Agostinho, Bezerra de Menezes e outros. A escolha de um verdadeiro discípulo do Mestre como mentor nos ajuda a perceber que é factível, possível seguir a rota do aperfeiçoamento em direção a Jesus.

Base conceitual

Além de seguir as virtudes que Jesus exemplificou e ensinou é necessário, aliás como pressuposto dessa prática, o conhecimento, o entendimento de cada virtude a visão da parte moral do Espiritismo e/ou do Evangelho. É necessário estudar as virtudes e também os vícios e suas consequências. Conhecendo-os podemos traçar o caminho a ser seguido.

Neste aspecto conceitual, o Espiritismo nos fornece verdadeiras joias de Sabedoria. Vejamos alguns trechos de O Livro dos Espíritos. Nas citações das questões propostas por Allan Kardec, abaixo, as respostas dos espíritos estão em itálico. Vejamos:

Qual a mais meritória de todas as virtudes?
Toda virtude tem seu mérito próprio, porque todas indicam progresso na senda do bem. Há virtudes sempre que há resistência voluntária ao arrastamento dos maus pendores.
A sublimidade da virtude, porém, está no sacrifício do interesse pessoal, pelo bem do próximo, sem pensamento oculto. A mais meritória é a que assenta na mais desinteressada caridade.”
(Questão 893).

Nessa resposta podemos identificar uma definição de virtude: “Há virtudes sempre que há resistência voluntária ao arrastamento dos maus pendores.” Esse texto parece autoexplicativo, por isso, pelo menos por enquanto, não pretendemos agregar qualquer comentário.

Com relação ao vício, podemos colher outras citações do mesmo livro, para defini-lo. Observemos:

Postos de lado os defeitos e os vícios acerca dos quais ninguém se pode equivocar, qual o sinal mais característico da imperfeição?
O interesse pessoal. Frequentemente, as qualidades morais são como, num objeto de cobre, a douradura que não resiste à pedra de toque. Pode um homem possuir qualidades reais, que levem o mundo a considerá-lo homem de bem. Mas, essas qualidades, conquanto assinalem um progresso, nem sempre suportam certas provas e às vezes basta que se fira a corda do interesse pessoal para que o fundo fique a descoberto. O verdadeiro desinteresse é coisa ainda tão rara na Terra que, quando se patenteia todos o admiram como se fora um fenômeno.

O apego às coisas materiais constitui sinal notório de inferioridade, porque, quanto mais se aferrar aos bens deste mundo, tanto menos compreende o homem o seu destino.
Pelo desinteresse, ao contrário, demonstra que encara de um ponto mais elevado o futuro.”
(Questão 895).

O que caracteriza portanto o vício ou a imperfeição é o egoísmo, o interesse próprio e o apego às coisas materiais.

Como confirmação do que expliquei, destaco, ainda a questão 913, que vou citar apenas a pergunta e as duas frases iniciais da resposta, mesmo que toda a resposta mereça nossa melhor atenção.

Dentre os vícios, qual o que se pode considerar radical?
Temo-lo dito muitas vezes: o egoísmo. Daí deriva todo mal. Estudai todos os vícios
e vereis que no fundo de todos há egoísmo. [...]”

Vale lembrar que a palavra “radical” utilizada na pergunta 913, não se refere a posições extremistas e sim possui o sentido de “causador”.
A infopédia (http://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/radical) informa vários sentidos da palavra “radical”, dentre os quais “relativo à raiz”, “fundamental, básico”. Podemos verificar, pelo contexto da pergunta, que a palavra é relativa à raiz e está posta no sentido de básico, fundamental.

Ou seja, os espíritos informaram que o egoísmo é o causador de todos os demais vícios.

Cumpre mencionar o orgulho ao lado do egoísmo como o vício que mais vigorosamente bloqueia o progresso por causar uma cegueira em seu possuidor a respeito das deficiências a serem corrigidas. E bloqueia tanto o progresso moral como o progresso intelectual.

Essa parte conceitual deve merecer contínua atenção das pessoas que buscam a Transformação Moral. Além de O Livro dos Espíritos, cumpre destacar como principal guia nessa busca, O Evangelho Segundo o Espiritismo. Ademais, existem muitos textos de valor real que também devem ser estudados e rememorados sempre. Eis alguns:

- Demais livros de Allan Kardec;
- O Novo Testamento;
- Partes finais de Depois da Morte e de O Problema do Ser, do Destino e da Dor, de Léon Denis;
- Mensagens psicografadas por médiuns reconhecidamente de confiança, com destaque para Francisco Cândido Xavier.

TRANSFORMAÇÃO MORAL - II




Base conceitual – prática

Além da base conceitual propriamente dita, sugerimos uma lista de preceitos que, em forma sintética reflitam os padrões morais desejados. A leitura de frases em forma curta, a exemplo dos dez mandamentos da campanha do quilo e da mensagem “O Homem de Bem” constante em O Evangelho Seg. O Espiritismo e outras ajudam a mentalizar objetivos de melhoria comportamental. Podemos adotar mensagens espíritas que resumam os ensimos de O Evangelho Segundo O Espiritismo. Mas o mais completo e recomendável rol de princípios sintéticos é sem dúvida o Sermão da Montanha, com destaque para as bem-aventuranças.

Vamos utilizar as bem-aventuranças como guias de comportamento no nosso trabalho.

Oportuno recordar que o reconhecimento da falta é o primeiro passo na direção da melhoria, mas os esforços de retificação completam-se com a reparação.

Reparação

A reparação consiste em fazer o bem àqueles a quem se havia feito o mal. Quem não repara os seus erros numa existência, por fraqueza ou má vontade, achar-se-á numa existência ulterior em contato com as mesmas pessoas que de si tiverem queixas, e em condições voluntariamente escolhidas, de modo a demonstrar-lhes reconhecimento e fazer-lhes tanto bem quanto mal lhes tenha feito. Nem todas as faltas acarretam prejuízo direto e efetivo; em tais casos a reparação se opera, fazendo-se o que se deveria fazer e foi descurado; cumprindo os deveres desprezados, as missões não preenchidas; praticando o bem em compensação ao mal praticado, isto é, tornando-se humilde se tem sido orgulhoso, amável se foi austero, caridoso se tem sido egoísta, benigno se tem sido perverso, laborioso se tem sido ocioso, útil se tem sido inútil, frugal se tem sido intemperante, trocando em suma por bons os maus exemplos perpetrados. E desse modo progride o Espírito, aproveitando-se do próprio passado.”

KARDEC, Allan – O Céu e o Inferno – Parte I – As penas futuras segundo o Espiritismo – Código Penal da Vida Futura – item 17.

De fato, ao chegar ao mundo espiritual, observamos melhor, com as percepções ampliadas, compreendemos a necessidade de progredir espiritualmente, de refazer o mal de compensar os equívocos com a prática bem, de reconciliarmo-nos com os inimigos. Mas é forçoso reconhecer que aqueles que mesmo antes da desencarnação reconhecem as próprias ações más e que, já nessa existência mesmo, arrependem-se e refazem o que praticaram de errado, progridem mais rapidamente do que os que desprezaram a autocorrigenda.

Quais as vantagens da transformação moral

Embora a principal característica da virtude seja o desinteresse real, completo e absoluto, cabe comentar aqui as vantagens da Transformação Moral. Isto porque no nível evolutivo em que nos encontramos (nível de evolução incipiente), somos, em regra, movidos pelos próprios interesses, ou pelos interesses da família, dos seres amados. Com o desenvolvimento do processo de transformação vamos superando essa fase de interesse próprio. É apropriado, nesta altura de nossa argumentação citar parte da resposta à pergunta 895 (Pode um homem possuir qualidades reais, que levem o mundo a considerá-lo homem de bem. Mas, essas qualidades, conquanto assinalem um progresso, nem sempre suportam certas provas e às vezes basta que se fira a corda do interesse pessoal para que o fundo fique a descoberto.[…]). (Grifei)

Trocando em miúdos a parte acima em negrito, estamos iniciando esforços sistemáticos para obter a Transformação Moral; alguns de nós possui qualidades reais que nos levem o mundo a nos considerar homens de bem. Há algum progresso, mas teremos que conviver ainda com o próprio interesse que é o principal motivador das nossas ações. Por isso, expectativas de proveito são convincentes para nós.

Vamos portanto às vantagens principais dessa melhoria. Algumas delas:

  • aperfeiçoamento interior;
  • paz, tranquilidade, sensação de felicidade;
  • melhoria da saúde física e psicológica;
  • melhoria nos relacionamentos;
  • maior capacidade de entender e resolver os problemas cotidianos;
  • para os trabalhadores espíritas, melhor desenvolvimento dos trabalhos de assistência mediúnica e espírita;
  • os pacientes de desobsessão, tenderão a obter uma desobsessão duradoura;
  • inversamente, aqueles que desprezarem o trabalho de transformação moral, de auto burilamento, poderão obter desobsessão, mas certamente estarão sob risco de recair na obsessão em curto prazo e talvez em situações até mais graves;
  • desprendimento mais suave no momento da separação da alma e do corpo;
  • consciência mais tranquila na Terra, enquanto encarnado e no Espaço após a desencarnação;
  • colaboração na divulgação do Evangelho, por meio da pregação silenciosa – pregação do exemplo.




TRANSFORMAÇÃO MORAL - III






Autoconhecimento

Podemos observar em nosso ser psíquico, mental e emocional duas formas de ação: uma que se constitui em resultado de operações racionais e conscientes. Outra que é fruto de reação a estímulos; manifestações de emoções e instintos são provocadas e funcionam independentemente de nossas deliberações conscientes e, por isso, muitas vezes as interpretamos como incontroláveis.

Essas reações que parecem escapar ao nosso controle são resultados de disposições que vivem e operam à revelia da nossa consciência normal, são resultados de atos praticados, muitas vezes repetidamente, nesta ou em outras reencarnações (vide apendice à essa séria de artigos). Tais ações podem criar condicionamentos indesejáveis. Esses condicionamentos porém podem ser modificados por ação repetida e persistente no bem, resistência ao mal que emana de nós mesmos, ações nobilitantes e frequentes.

As considerações acima servem para entendermos mecanismos psicológicos e preceitos gerais aplicados ao ser humano em geral. Precisamos levar em conta esses aspectos e acrescentar em nossas reflexões outros aspectos que dizem respeito à nossa individualidade. Breves indicações a esse respeito podemos encontrar em O Evangelho Segundo o Espiritismo no Cap X item 10:

Uma das insensatezes da Humanidade consiste em vermos o mal de outrem, antes de vermos o mal que está em nós. Para julgar-se a si mesmo, fora preciso que o homem pudesse ver seu interior num espelho, pudesse, de certo modo, transportar-se para fora de si próprio, considerar-se como outra pessoa e perguntar: Que pensaria eu, se visse alguém fazer o que faço? Incontestavelmente, é o orgulho que induz o homem a dissimular, para si mesmo, os seus defeitos, tanto morais, quanto físicos.”

Quais os melhores processos

Cabe indagar quais os melhores processos existentes para efetivarmos a Transformação Moral. A solução dessa questão encontra-se nas perguntas e respectivas respostas 919 e 919-a de O Livro dos Espíritos. Apreciemos alguns trechos da resposta do espírito Santo Agostinho:

919. Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e
de resistir à atração do mal?

Um sábio da antigüidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo.”

a) - Conhecemos toda a sabedoria desta máxima, porém a dificuldade está
precisamente em cada um conhecer-se a si mesmo. Qual o meio de consegui-lo?

Fazei o que eu fazia, quando vivi na Terra: ao fim do dia, interrogava a minha consciência, passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever, se ninguém tivera motivo para de mim se queixar. Foi assim que cheguei a me conhecer e a ver o que em mim precisava de reforma. Aquele que, todas as noites, evocasse todas as ações que praticara durante o dia e inquirisse de si mesmo o bem ou o mal que houvera feito, rogando a Deus e ao seu anjo de guarda que o esclarecessem, grande força adquiriria para se aperfeiçoar, porque, crede-me, Deus o assistiria. Dirigi, pois, a vós mesmos perguntas, interrogai-vos sobre o que tendes feito e com que objetivo procedestes em tal ou tal circunstância, sobre se fizestes alguma coisa que, feita por utrem, censuraríeis, sobre se obrastes alguma ação que não ousaríeis confessar. Perguntai ainda mais: “Se aprouvesse a Deus chamar-me neste momento, teria que temer o olhar de alguém, ao entrar de novo no mundo dos Espíritos, onde nada pode ser ocultado?”

Examinai o que pudestes ter obrado contra Deus, depois contra o vosso próximo e, finalmente, contra vós mesmos. As respostas vos darão, ou o descanso para a vossa consciência, ou a indicação de um mal que precise ser curado.

[...] Procurai também saber o que dela pensam os vossos semelhantes e não desprezeis a opinião dos vossos inimigos, porquanto esses nenhum interesse têm em mascarar a verdade e Deus muitas vezes os coloca ao vosso lado como um espelho, a fim de que sejais advertidos com mais franqueza do que o faria um amigo. [...]

Formulai, pois, de vós para convosco, questões nítidas e precisas e não temais multiplicá-las. Justo é que se gastem alguns minutos para conquistar uma felicidade eterna. [...] Com este
objetivo é que ditamos O Livro dos Espíritos.”

Vamos reler no próprio Livro dos Espíritos, vez por outra essas considerações são preciosas e contém roteiro seguro para a melhoria moral.

Um teste importante, sugerido por Divaldo Franco em uma palestra proferida em Recife em 2007 é pensar nas próprias ações, intenções, sentimentos e aplicar o preceito do Cristo: “Não façais aos outros o que não gostaria que vos fosse feito”.

Podemos, além das recomendações dos itens mencionados, acrescentar medidas adotadas por outros missionários do Bem, como o processo de melhoria moral, praticado por exemplo por Benjamin Franklin (vide InnerTransformation de Jussara Korngold e Autobiografia de Benjamin Franklin).

Providência importante é anotar para si mesmo os defeitos, fraquezas, vícios que presisam ser corrigidos. Essas anotações facilitam o diálogo com a própria consciência, com o Anjo Guardião e com Deus. Não precisam ser divulgados, entendemos mesmo que tais anotações devem ser acessíveis somente ao interessado, ao que está trabalhando o autoconhecimento.

Esse processo começa com a busca do Autoconhecimento. Avança com a identificação de equívocos e erros que cometemos. Prossegue com a reflexão estudo das causas e consequências desses erros. Avança para a construção de um programa de reparação, porque todos os erros podem ser reparados, todo o defeito pode e deve ser consertado.

Trata-se de um trabalho individual, mas que pode e deve ser facilitado por instituições de educação como entidades espíritas que podem promover seminários, cursos e treinamentos sobre esse tema essencial.



TRANSFORMAÇÃO MORAL IV



Beneficência

"O sentimento mais apropriado a fazer que progridais, domando em vós o egoísmo e o orgulho, aquele que dispõe vossa alma à humildade, à beneficência e ao amor do próximo, é a piedade! piedade que vos comove até às entranhas à vista dos sofrimentos de vossos irmãos, que vos impele a lhes estender a mão para socorrê-los e vos arranca lágrimas de simpatia."

(O Evangelho Segundo o Espiritismo - Cap XIII item 17)

O contato com os sofrimentos alheios pode causar um choque inicial; há quem não segure as lágrimas. Algumas pessoas não têm coragem de enfrentar essa situação ou são levadas a sentir emoções fortes e evitam a visão da dor alheia quando essa dor é grande.

Há variadas reações conforme os indivíduos. Certamente não existe uma fórmula universalmente correta para reagir aos impactos emocionais resultantes da visualização dos sofrimentos. Há exemplos de pessoas que acabaram por deixar suas ações e exemplos na História da Humanidade, por adotarem providências brilhantes diante da dor alheia.

Um desses belos exemplos é o de Florence Nightindale. Jovem residente em Londres, de família abastada resolveu , por volta de 1845 quando contava 25 anos, dedicar sua vida aos enfermos. Essa decisão foi interpretada como rebeldia, pois que o trabalho de cuidar dos enfermos era uma tarefa secundária de cozinheiras e prostitutas. Essas últimas, eram constrangidas a exercer a enfermagem como castigo.

Florence incidiu no custo de entrar em choque com a opinião vigente e com forte reprovação de sua genitora. Ela, entretanto, possuía o coração transbordante de amor ao semelhante. Havia em seu interior uma fonte que brotava para a eternidade. Antes daquela existência terrestre havia “bebido” da água que Jesus ofertara à Samaritana no poço de Jacob. Conhecera a mensagem do Redentor, convertera-se ao bem. Supomos que esse contato com o Cristo havia acontecido séculos antes.

Inicialmente visitou hospitais e realizou estudos de Matemática e Estatística com competentes professores. Posteriormente dedicou-se a cuidar dos enfermos na Guerra da Criméia. Verificou que os feridos eram tratados com absoluto descuido no item higiene. Antes de iniciar seus trabalhos, constatou que 60% dos que ingressavam no hospital faleciam em decorrência dos ferimentos de guerra, Quatro meses após implantar medidas de limpeza, essas mortes declinaram para algo em torno de 2%.



Esse avanço foi constatado numericamente e exposto em relatório com utilização pioneira de recursos estatísticos qual o famoso gráfico em formato “pizza”. Com isso convenceu médicos e chefes militares da eficácia do método de Florence.

Implantou programa de treinamento. Com um grupo de 38 enfeirmeiras voluntárias partiu para o Império Otomano em 1854. Em 1857, voltou a Londres por haver contraído febre tifóide; seu trabalho era de tal forma respeitado que comentava-se: Florece é quase tão famosa quanto a Rainha da Inglaterra.

Em 1859 recebeu um prêmio do governo inglês e com os recursos fundou uma escola para enfermagem no Hospital Saint Thomas.

Quando em 1910 partiu para o além, deixou um legado de amor e dedicação, que vem contribuindo para a recuperação de milhões de vidas. 

Outros exemplos poderiam ser citados, como Schweitzer, Madre Tereza, Irmã Dulce, Elias Sobreira, Divaldo Franco...

O que podemos constatar é que essas pessoas após aderirem  à prática desinteressada e amorosa do bem, transformam mais rapidamente suas disposições interiores. Tornam-se brandas, resilientes, afáveis.




TRANSFORMAÇÃO MORAL V






Quais os resultados esperados

Os resultados esperados e, podemos dizer, resultados certos da reforma moral são melhoria moral de si mesmo, porque o indivíduo que se dedica à reforma moral passa a enxergar os próprios erros, arrepende-se, aceita a expiação com serenidade, porque sabe ser justa e repara o mal cometido.

Observa-se significativa influência na melhoria ao derredor, nas pessoas que convivem conosco. Melhoria no relacionamento familiar, conjugal, com vizinhos e consequentemente contribuição efetiva para o bem estar e a paz do local onde residimos, do país e do planeta. O exemplo do bem parte do indivíduo, espalha-se devagarzinho como uma onda, toca os olhos, ouvidos e corações dos que o cercam; irradia-se pela vizinhança, por terceiros que convivem com familiares e amigos, ainda que desconhecidos do indivíduo. Estende-se além para a Nação, pacificando-a e para o Mundo, fazendo um pouco mais suave a vida de toda a Humanidade.


APÊNDICE – INSTINTOS E CONDICIONAMENTOS

Espíritos imortais, tivemos muitas experiências encarnatórias, construímos ao longo das eras nosso patrimônio moral e intelectual.

Enquanto nos ensaiávamos para a vida humana, desenvolvemos instintos, aperfeiçoamos as funções sediadas no perispírito e que governam automaticamente o cosmo orgânico. Tais funções pertencem à parte profunda da nossa inconsciência e que é comum aos homens e aos animais, de onde emergem reflexos inatos e incondicionados. Essa parte do nosso ser, consolida experiências desenvolvidas por meio de ensaio e erro, sucessos e frustrações ao longo de milhões de anos. São manifestações dos instintos de sobrevivência e de reprodução. Podemos afirmar que essa estrutura é praticamente imexível no nível evolutivo em que nos encontramos. Podemos controlá-las, educá-las mas não podemos modificar-lhes sua estrutura básica, seu cerne ou substituí-las por outras.

Que somos, de onde viemos, para onde vamos, o que estamos fazendo neste mundo. Esse conhecimento de si mesmo diz respeito a uma parte em nós que nos faz pertencer à humanidade. É um autoconhecimento enquanto espécie. Mais sofisticadas são as características humanas, nossas faculdades de raciocinar, abstrair, escolher, pensar em Deus. Essas características podem ser aperfeiçoadas; podemos acrescentar e desenvolver novas faculdades sobre elas, como a intuição, por exemplo.

Em uma parte mais superficial da nossa inconsciência residem registros que nos vinculam a grupos humanos ainda vastos como à nação e à cultura. Em geral nos assemelhamos mais aos nossos compatriotas do que aos estrangeiros, pelo valor que atribuímos a tal ou qual comportamento a tal ou qual crença. Assim é que existem povos mais valentes, mais moderados, mais intelectualizados, mais dados à arte, etc. Esses povos são agregados de seres humanos com características semelhantes.

Características culturais paulatinamente mais superficiais em nossa consciência nos vinculam à região à província, à cidade e à família a que pertencemos.

Características individuais, mas que também existem nos grupos vastos ou restritos, como a Nação, a Província , à cidade e à família, que pertencemos foram definidas por Karl Jung como inconsciente coletivo. Essas características podem ser questionadas e até modificadas por nós, se constatarmos que se tratam de equívocos ou aspectos prejudiciais.